Erros mais comuns ao usar a máscara

          As máscaras tornaram-se obrigatórias em diversas cidades no combate ao novo coronavírus, mas seu uso inadequado aumenta os riscos de infecção. As máscaras podem ser de tecido, costuradas em casa ou descartáveis, diferentes das cirúrgicas que devem ficar restritas a médicos e profissionais de enfermagem e outros que trabalham diretamente nos setores específicos para atendimento a pacientes com ou suspeita da covid-19.

         Não basta simplesmente ter a máscara e usá-la aleatoriamente. É importante que todos usem o equipamento de forma correta como vem sendo divulgado o tempo todo nos mais diferentes veículos de comunicação. Seu uso equivocado pode aumentar o risco de infecção e contaminação.

Relacionamos os principais erros:

Máscara no queixo – Se for preciso tirar a máscara por pouco tempo – ao beber água, por exemplo – não a puxe para o queixo. Primeiramente, porque, ao fazer isso, você terá de encostar na parte do tecido, que pode estar contaminada. O ideal é só tocar nas cordinhas ou no elástico. Além disso, há o risco de a máscara se inverter, ao ser tirada do queixo e posicionada novamente no rosto.

Nariz ou boca descobertos – A função da máscara é cobrir as “portas de entrada e de saída” do vírus no organismo. Daí a importância de jamais deixar os lábios e as narinas expostos. A máscara serve como barreira: quem já estiver contaminado não vai espalhar gotículas com o vírus ao falar, tossir ou espirrar, por exemplo. E aqueles que estiverem saudáveis também terão uma proteção no rosto para que as mucosas da boca e do nariz não entrem em contato com partículas contaminadas.

Não cubra apenas as narinas – Para que a proteção seja efetiva, a máscara deve cobrir o nariz inteiro, descendo até o queixo, de modo que não sejam formados vãos por onde gotículas possam entrar. O equipamento não vai se mover pelo rosto — vai moldar-se a ele. Alguns modelos têm um arame flexível por dentro, que deve ficar abaixo da região entre as sobrancelhas. É mais uma forma de moldar a máscara ao rosto

Não use máscaras largas para o seu rosto – No caso das máscaras de tecido, artesãos costumam perguntar se elas serão usadas por adultos ou crianças, justamente para fabricá-las no tamanho adequado. Mesmo assim, é possível que o equipamento fique largo nas laterais do rosto. Caso esteja ‘folgada’, recomenda-se que seja feito um nó nos elásticos ou na cordinha, porque a vedação precisa ficar completa.

Não encoste na máscara, só nos elásticos – Deve-se evitar tocar na parte de tecido da máscara. Se você estiver em um transporte público e que alguém contaminado, sem usar o equipamento de proteção, tussa a uma curta distância. A face externa da sua máscara ficará com gotículas que contêm o vírus. Se você tocar nessa parte, seja para ajeitar o tecido ou tirar/colocar a máscara, contaminará suas mãos. Ao levá-las aos olhos, pode contrair a doença. Ou, se encostar em outros objetos, espalhará o vírus e poderá infectar outras pessoas.

Não apoie a máscara em mesas – Quando for fazer uma pausa para a refeição, por exemplo, jamais coloque a máscara sobre a mesa: a superfície pode estar contaminada, principalmente em ambientes de uso comum, como cafeterias das empresas, há o risco de contágio. O ideal é guardar a máscara em um saquinho limpo e o intervalo fora rápido para recolocação do equipamento: tire a máscara de trás para frente, tocando apenas nos elásticos, e segure-a (sempre evitando encostar na parte do tecido). Depois, recoloque-a, também pelos elásticos.

No braço ou pescoço – Não deixe a máscara pendurada no pescoço ou braço porque, assim, ela está suscetível a sujeira.

Lave bem as mãos antes e depois de colocar e de tirar a máscara

Use água e sabão ou álcool gel para higienizar as mãos sempre que colocar ou tirar a máscara. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o ideal é gastar de 40 a 60 segundos em todo o procedimento. Após enxaguar, se a torneira não for do tipo automática, use uma toalha de papel para fechá-la. Opte pelo álcool em gel apenas em locais onde não é possível fazer a higiene com água e sabão.

Lave a máscara com água e sabão – As máscaras de tecido devem ser higienizadas com água e sabão. Outra opção é deixá-las de molho por cerca de 20 minutos, em uma solução com 10 ml de água sanitária e meio litro de água. Se quiser, pode usar um ferro quente para reforçar a esterilização. E atenção: não misture a máscara com as demais peças de roupa. Lave-a individualmente.

Descarte da máscara – Se sua máscara for descartável, coloque-a sempre dentro de um saco (de papel ou de plástico) antes de jogá-la na lixeira. Isso evita que alguém, ao recolher o lixo, encoste na máscara contaminada e se infecte.

Troque a máscara de 2 em 2 horas – As máscaras devem ser trocadas com frequência: de duas em duas horas ou sempre que ficarem úmidas. Se você tossir ou espirrar, por exemplo, lave bem as mãos, tire o equipamento da forma correta e descarte-o em um saco (se for a de tecido, lave-a). Higienize as mãos novamente e coloque uma nova máscara. (Fonte: Organização Mundial da Saúde – texto adaptado)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer falar conosco? Mande uma mensagem!
Fale com nossos setores
Fale com os setores através do WhatsApp