Gol de placa contra o câncer de próstata

Como previsto, foi um sucesso o II Futebol Society Novembro Azul, realizado pelo Hospital Beneficência Portuguesa, encerrando a programação do mês consagrado à prevenção ao câncer de próstata e pela saúde do homem.

O mês de novembro acabou, mas a prevenção tem que continuar sendo realizada como foi intensamente discutida, orientada, cobrada durante a campanha oficial, mas como alerta Ademir Pestana, presidente da Sociedade Portuguesa de Beneficência, “ prevenção se faz todos os dias”.

Vitória de todos – Apesar do placar 7 X 2 para o time dos Médicos, todos os envolvido são unânimes em afirmar que a vitória foi de ambas as equipes (Médicos e Pacientes) e de todos os envolvidos em prol da realização dos eventos que marcaram a campanha no mês novembro que se estenderá até o próximo ano, depois e depois… A partida de futebol seguida de confraternização já está se tornando uma tradição na Beneficência pela singularidade da ação que reúne médicos, pacientes e funcionários do Serviço de Oncologia do hospital.

A ansiedade das equipes dos Médicos e dos Pacientes, cujos técnicos, Ademir Pestana (presidente da Beneficência) e Dr. Hilário Romanezi Cagnacci (oncologista), respectivamente, era visível. O técnico dos Médicos, prometia revanche (perdeu no ano passado por 4 X3), enquanto Hilário dizia que a vitória dos Pacientes era certa. As amigáveis provocações alimentavam a expectativa entre as equipes e as torcidas organizadas. E chegou o grande dia, ou melhor a grande noite de 25 de novembro e a Arena Portuários, no Marapé, foi palco de uma bela partida.

7 X 2 foi o resultado – A tática de Ademir Pestana para levar o time dos Médicos à vitória (com relação a superioridade do número de gols) foi, segundo o técnico, copiada pela Seleção da Espanha, na Copa do Mundo que está acontecendo no Catar, mas isso não o abalou porque estava confiante no ataque do time e “no preparo físico dos atletas”. E o resultado é a garantia de que estava certo.

O técnico Hilário por sua vez, diz ter uma série de arbitrariedades, razão pela pretende apelar a uma comissão (até agora não sabemos qual e de onde é esse órgão). Reclamou da manobra que o fez perder o auxiliar técnico que de acordo com suas palavras “de forma estranha foi guinado a goleiro do time adversário”. Se referiu também a questão da idade do time dos Médicos, embora sua equipe também fosse formada por jovens e bem preparada, que consegui, por unanimidade, ser aprovada em todos os exames médicos (uma regra obrigatória para participação no torneio) a que foi submetida. Enfim reclamação para ganhar espaço porque ele, com muita propriedade que a especialidade Oncologia lhe confere, porque todos foram vencedores. E o 7 X 2 para os Médicos, foi comemorado por ambas as equipes. O médico/técnico foi homenageado pela diretoria do hospital e por pacientes do Serviço de Oncologia.

Os times – Médicos: Serginho (Administração), goleiro;

Nilson Aranha, Álvaro Neto, Ricardo Vergara, Fernando Póvoa, Fleuri Melo (médicos), Luiz Oliveira ( farmácia) e Jéssica Granato (quimioterapia). Gols marcados por Fleuri (3), Vergara (2) e Fernando (2). – uniforme branco –

Pacientes – Alexsandro Gil (Serviço de Manutenção), goleiro, Thiago Gabriel, Francisco Oliveira, Sidney Oliveira, José Carlos Santa Maria, José Calixto Lemos, José Davi Pinto, Wagner Santos (Tomosantos), Celso Ribeiro e Jhony Ribeiro (Radioterapia). Gols marcados por Thiago e Wagner. – uniforme azul –

A partida transmitida pelas redes sociais do Hospital Beneficência Portuguesa teve narração do radialista e jornalista esportivo, Walter Dias, com comentários de Luiz Fernando Schefer.

O jornalista Walter Dias não comentou, mas informações quentes, dão conta que o juiz da partida, Luiz Carlos da Silva, ainda não recebeu o pagamento pela partida e como o Torneio Novembro Azul equivale a uma Copa do Mundo, espera receber, no mínimo, R$ 27 mil (5.000 euros) valor pago aos árbitros por cada jogo no Mundial na primeira fase. Já no mata-mata, oitavas de final, quartas de final, semifinal e até a final recebem R$ 54 mil (10.000 euros) por partida. Justa reivindicação

Presentes e muito atentas, as equipes de Enfermagem e de Fisioterapia do hospital que acomodadas junto ao gramado não perdiam um lance.

As torcidas organizadas que não significam sinônimo de violência e sim de organização e paixão pelo seu time, no Torneio Novembro Azul se unem para comemorar gols e adesões às orientações sobre a importância da prevenção ao câncer de próstata, deram espetáculo à parte. E delas, com um pé em cada uma, fazia parte o diretor Carlos Alberto Limas.

*A campanha Novembro na Beneficência é organizada pelo Setor de Humanização . Confira algumas fotos do evento (Noemi Macedo)

Técnico Ademir e o time Médicos
Hilário técnico e a equipe Pacientes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer falar conosco? Mande uma mensagem!
Fale com nossos setores
Fale com os setores através do WhatsApp