Justiça inocenta Beneficência Portuguesa

Justiça inocenta Beneficência Portuguesa

LogoA Justiça reconheceu a inocência da Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos e demais arrolados na ação impetrada por Eliani Leite Serrano, que requeria indenização sob alegação de ter sido prejudicada sofrendo danos moral e estético, durante tratamento de radioterapia no Serviço de Radioterapia e Megavoltagem S/C Ltda – Unirad, que prestava serviço de radioterapia à instituição.

A ação foi ajuizada contra a Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos, Serviço de Radioterapia e Megavoltagem S/C Ltda – Unirad, contra os médicos: Hilário Romanezi Cagnacci, Paulo Eduardo Ribeiro Novaes e Joaquim Gomes Pinho, contra a física Rosana Cardoso Custódio Gouveia, Prefeitura Municipal de Santos e Fazenda Pública do Estado de São Paulo.

A denunciante alegou que o tratamento radioterápico realizado na região de onde fora extraída sua mama esquerda acometida de carcinoma, bem como o pescoço, foi afetada pelos feixes de radiação que lhe provocaram queimaduras. Seu tratamento iniciado em 2007 era desenvolvido junto ao equipamento Bomba de Cobalto. Posteriormente esse equipamento foi desativado e o tratamento teve continuidade junto ao Acelerador Linear.

A denunciante alegou ainda, que ao se submeter ao tratamento no Acelerador Linear, este equipamento apresentava baixa atividade radioativa, razão pela qual ela era exposta à radiação por tempo excessivo causando-lhe queimaduras.

A perícia atestou que todo tratamento radioterápico pode gerar queimaduras na pele dos pacientes e que está correta a prática de aumentar o tempo de exposição do paciente perante o feixe de radiação quando o aparelho de radioterapia está com baixa radioatividade e que a radiodermite ocorre por efeito da radiação na pele e independe da fonte radioativa. A perícia deixa claro que o tratamento radioterápico não causou dano à paciente.

As contestações dos envolvidos na ação evidenciam, conforme comprovado pela perícia, que as doses prescritas de radiação à demandante, estão de acordo com a literatura médica e as reações cutâneas dependem de cada organismo. A Fazenda Estadual, inclusive, ressalta que, a época em que a autora da ação foi submetida a tratamento, o equipamento (Acelerador Linear), funcionava dentro dos padrões exigidos pela ANVISA.

A juíza Ariana Consani Brejão Degregório Gerônimo, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Santos, ao analisar as provas julgou improcedente a ação, salientando que apesar de diversas vezes intimada a apresentar provas (material fotográfico) das queimaduras mencionadas, a autora da ação se desinteressou por esse tipo de prova, seguindo-se, então, a perícia médica de órgão oficial, que concluiu que não houve comprovação do dano alegado pela autora.

Diante dos fatos, a juíza Ariana Degregório Gerônimo julgou improcedente a ação, condenando a autora ao pagamento das despesas processuais.

Assessora de Imprensa da Beneficência Portuguesa
Noemi Francesca de Macedo (Mtb 11.619)

Quer falar conosco? Mande uma mensagem!
Fale com nossos setores
Fale com os setores através do WhatsApp