Maternidades, a ponta do iceberg

Maternidades, a ponta do iceberg

Não é novidade que a saúde suplementar no Brasil está na contra mão da história caminhando em descompasso com o crescimento populacional e a necessidade de atendimento.

Captura de Tela 2014-04-23 às 01.01.56Em Santos a situação não é diferente da maioria dos municípios brasileiros, especialmente os de médio porte, que terminam servindo de apoio às cidades vizinhas, devido a maior infraestrutura e rede de atendimento, embora aquém da demanda. E o que acontece com Santos neste momento em que maternidades particulares, setor de extrema importância na rede hospitalar, estão fechando suas portas, é reflexo de uma deficiência no atendimento das necessidades de uma real, forte e financeiramente autosuficiente política nacional de saúde pública.

A falta de leitos hospitalares sejam eles para simples internação ou UTI (Unidade de Terapia Intensiva) é angustiante não apenas para quem precisa, mas também para quem está na função de gestor/administrador de hospitais. Esta carência não faz distinção, redes pública e privada se confundem nesse aspecto. O fechamento de qualquer setor na área hospitalar é um duro golpe para todos.

O anúncio do fechamento de um pronto-socorro obstétrico na Cidade em decorrência do desequilíbrio provocado pelo alto custo de manutenção do setor e pelos baixos valores pagos por parte das operadoras de planos de saúde é a ponta do iceberg de uma crise muito mais ampla que exige reflexão e atitude urgentes para não levar a saúde já combalida ao caos.

A situação envolve governo através da ANS- Agência Nacional de Saúde, convênios (planos de saúde) e rede hospitalar. O órgão governamental impõe novas exigências aos planos de saúde, que alegam a proibição de repasse dos novos dispêndios aos beneficiários ou usuários e que os reajustes autorizados pela Agência não cobrem as despesas diante da inflação. Com isso ampliam a desatualização com relação aos pagamentos para os hospitais, que por sua vez não conseguem saldar compromissos financeiros a contento.

Ontem, foi a maternidade da Beneficência Portuguesa, cujo fechamento para ampliação e readequação estava previsto há dois anos; hoje é a Casa de Saúde por conta do repasse abaixo do suportável por parte dos convênios; amanhã sabe Deus qual outro hospital fechará as portas de sua maternidade. O Hospital São Lucas que havia anunciado a possibilidade de encerrar as atividades de seu pronto-socorro obstétrico adiou a decisão.

Independentemente da instituição, a situação é assustadora em todos os sentidos, poisagora é mais uma maternidade que fecha, depois poderá ser outro setor cujo repasse por parte das operadoras não seja suficiente para cobrir as despesas. Os governos (municipal, estadual e federal) não podem ficar a espera do pior, porque a estrutura do SUS – Sistema Único de Saúde é quase perfeita no papel, mas infelizmente, sua plenitude, ainda falta ser colocada em prática. E com certeza, com o fechamento de unidades na rede privada, o SUS não suportará a demanda.

Os hospitais particulares são parceiros na empreitada por melhores condições de saúde, mas precisam manter o equilíbrio financeiro para que investimentos em tecnologia não se percam com fechamento, por enquanto, de maternidades…

Ademir Pestana

Presidente da Sociedade Portuguesa de Beneficência

Quer falar conosco? Mande uma mensagem!
Fale com nossos setores
Fale com os setores através do WhatsApp