Roda de Conversa

As principais dúvidas sobre câncer de próstata

     A pergunta mais recorrente na Roda de Conversa realizada na abertura da programação especial “Novembro Azul – um Gol de Placa” na Beneficência Portuguesa com a participação de especialistas respondendo às perguntas dos interessados, foi: “Como prevenir o câncer de próstata?”

     Aberto por Ademir Pestana, presidente da Instituição mantenedora dos Hospitais Santo Antônio e Santa Clara, o evento que contou com a participação do oncologista Hilário Romanezi, do urologista Walter Melarato e da psicóloga Renata Reis, transmitido pelas redes sociais do hospital facilitou a um público maior, tirar dúvidas sobre esse tipo de câncer que é o segundo mais comum entre os homens, superado apenas pelo câncer de pele.

     Informação – Prevenção é a palavra de ordem, mas como prevenir uma doença cuja causa exata não é conhecida? A resposta veio rápida, porque não existe uma prevenção direta, mas a adoção de hábitos saudáveis e cuidados para com a saúde que tem como um dos principais aliados, a informação.

     “Precisamos estar atentos e antes de falarmos em tratamento, a informação correta é essencial visando a prevenção, daí a importância da consulta médica porque o diagnóstico precoce faz a diferença para quem teve a confirmação da doença” disse Ademir Pestana na abertura.

     O oncologista Hilário Romanezi, em breve explanação e depois esclarecendo as dúvidas do público presente e do virtual, ressaltou a importância do diagnóstico precoce “… necessário para cura, tratamentos menos agressivos e para qualidade de vida do paciente. Diferentes são os tratamentos indicados de acordo com o tamanho do tumor”.

     Diagnóstico precoce e informação, pontos básicos para o sucesso no tratamento do câncer de próstata também foram pontos abordados pelo Dr. Walter Melarato, chefe da equipe de Urologia da Beneficência Portuguesa “É muito importante que os pacientes tenham toda a informação quanto ao tratamento a que estão sendo submetidos, bem como tipos de procedimentos, lembrando que, por conta do preconceito com relação à realização do exame de toque, muitos homens chegam tarde para o tratamento”.

     Prevenção – “Não tem como prevenir esse tipo de câncer. Não tem como evitar, mas o diagnóstico precoce ajuda na busca pela cura”, explicou Dr. Hilário que junto com o urologista Melarato alertou que, apesar de poder ser diagnosticado em jovens, o risco aumenta com a idade Assim, a partir dos 50 anos os homens devem procurar o médico e aqueles com história de câncer de próstata na família, e os da raça negra (devido a maior produção de testosterona) devem fazer essa busca a partir dos 40 anos. Os exames de sangue (PSA) e o toque retal são fundamentais.

     Cura – Outra pergunta recorrente na Roda de Conversa: “Existe cura?”

     “Sim. A chance é grande com o diagnóstico precoce” foi a resposta dos especialistas que responderam ainda sobre impotência sexual e incontinência urinária acalmando a plateia masculina, ao explicar que qualquer tratamento contra o câncer de próstata pode provocar disfunção erétil, na maioria dos casos no início do tratamento. Porém, protocolos de reabilitação da função sexual com acompanhamento psicológico e até medicamentos ajudam na consolidação do objetivo.

     Ajuda psicológica – A participação da psicóloga Renata Reis foi fundamental, principalmente porque não são poucos os que ainda, por preconceito, desconsideram a importância desse tipo de ajuda. A profissional foi bastante solicitada e esclareceu que após o diagnóstico do câncer de próstata é imperioso que o paciente tenha acompanhamento com um psicólogo porque a doença afeta não apenas a parte física da pessoa, mas também a mente, abalando também familiares.

     “A família sofre muito com a mudança de rotina e tanto quanto o paciente precisa de acolhimento. O impacto psicológico atinge a todos pela importância da figura masculina, na maioria das famílias, o provedor. Normalmente o homem não fala de suas emoções, mas elas alteradas e reprimidas afetam seu humor, especialmente pela dor reprimida.”

     Renata deixou claro que o acompanhamento psicológico auxilia nessa fase difícil do paciente e de seus entes queridos.

     A Roda de Conversa, realizada dentro do projeto Live no Jardim, foi encerrada pelo diretor financeiro da Beneficência, Carlos Alberto Limas que enfatizou a urgente necessidade da população masculina rever conceitos e “… principalmente o jeito de ser no tocante a tabus. O que predomina sempre quando se fala de câncer de próstata é o tabu masculino com relação ao exame de toque que em nada interfere na masculinidade. Não se deixem dominar por tabus e o jeito machista de ser. Esqueçam isso. Não se permitam uma vida triste por preconceito. Hoje dispomos de profissionais competentes que nos ajudam a uma longevidade saudável” concluiu o diretor enaltecendo o gol de placa da Beneficência Portuguesa com a realização do evento, gol repetido várias vezes pelos participantes.

     Na Roda de Conversa conduzida por Paula Ribeiro, a informação elementar para a conscientização sobre a importância dos cuidados para com a saúde foi várias vezes replicada pelos especialistas do quadro funcional da Beneficência Portuguesa, que muito falaram sobre os sintomas do câncer de próstata que tem crescimento lento e na fase inicial não apresenta sintomas que podem surgir durante o crescimento do tumor.

Aberta nessa terça-feira (23), a programação se estende até o próximo dia 29.

 

Presidente Ademir Pestana

 

Drs. Hilario Romanezi e Walter Melarato

 

Psicóloga Renata Reis

 

Paula Ribeiro coordenou a Roda de Conversa

Carlos Alberto Limas, diretor financeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer falar conosco? Mande uma mensagem!
Fale com nossos setores
Fale com os setores através do WhatsApp