Quimioterapia

A Quimioterapia é um tratamento em que se utilizam medicamentos para destruir as células doentes que formam o tumor. Cada medicamento age de uma maneira diferente, entram na corrente sanguínea e são levados por todo o corpo, destruindo as células doentes que estão formando o tumor e impedindo também que elas se espalhem.

O tratamento da quimioterapia pode ser:

Quimioterapia Adjuvante
Utilizada como terapia complementar após a cirurgia.

Quimioterapia Paliativa

Utilizada com o intuito primário de conter a evolução e controlar os sintomas provocados pela doença.

Quimioterapia Neo Adjuvante
Utilizada antes de uma modalidade de tratamento local, como a cirurgia ou a radioterapia, visando reduzir ao máximo o tumor e a melhoria no resultado final.

Dúvidas Frequentes

Ele usará sua experiência clinica e a literatura médica sobre cada tipo de câncer.

A quimioterapia não causa dor, quando feito por profissionais capacitados. Alguns raros medicamentos podem causar irritação nas veias dos braços, com desconforto local durante e após a infusão. Mas, nestes casos, são tomadas medidas para amenizar o problema.

É cateter venoso central totalmente implantável, colocado por um cirurgião sem qualquer tipo de desconforto ao paciente. É indicado aos pacientes com acesso periféricos deficitários ou que irão receber medicações irritativas para as veias. Sua manutenção é mensal e feita pela enfermeira responsável pelo setor de quimioterapia.

Em caso de febre, falta de ar ou dificuldade de respirar; sangramentos que demoram a estancar, diarréia por mais de dois dias, confusão mental, convulsões, dor em qualquer parte do corpo inexistente antes do tratamento, mal estar intenso, diminuição de força nas pernas de forma recente, náuseas e vômitos que estejam impedindo de se alimentar ou ingerir líquido.

Sim, é aconselhável a realização de uma refeição leve antes da quimioterapia. Durante a infusão dos medicamentos (o que, pode levar algumas horas, dependendo da forma realizada), também é permitido à ingestão de líquidos e alimentos.

Não necessariamente. As reações são individuais, variando de pessoa para pessoa, mesmo sabendo que a quimioterapia tem efeitos colaterais previsíveis. Algumas pessoas não apresentam qualquer sintoma significativo relacionado ao tratamento e não altera em nada seu estilo de vida. Além disso, atualmente dispomos de medicamentos contra náuseas e alergias que diminuem bastante os efeitos adversos.
O seu médico, através de avaliação clinica realizada durante as consultas e de exames complementares (laboratório, imagens entre outros), será capaz de determinar isso.
Não, o efeito positivo do tratamento independe dos seus efeitos colaterais.
Sim, desde que se sinta apto.
Sim, desde que seu médico libere e que haja algum hospital próximo para atendimento de urgência, se necessário.
Sim, caso você não tenha o hábito de fazer exercícios regularmente, converse com seu médico. Se você já se exercita, mantenha as atividades o mais próximo do seu ritmo normal, sempre respeitando os limites de seu corpo com momento de descanso para recuperar energias.
Depende. A queda do cabelo dependerá do tipo de quimioterapia utilizada e da sensibilidade do paciente quanto ao tratamento. Um fato a ser lembrado é que está situação é temporária, pois ao termino do tratamento, em geral de 3 a 4 semanas, o cabelo volta a crescer normalmente.

A tintura dos cabelos podem acentuar sua queda, mas não existe uma contra-indicação formal para seu uso. Não há problemas também quanto a uso de desodorantes, perfumes e afins. Apenas no caso dos pacientes com câncer de mama que sofreram cirurgia para retirada dos gânglios linfáticos das axilas. Neste caso, recomenda-se evitar desodorantes com base alcoólica, devido ao risco de desenvolvimento de alergia no local e, conseqüentemente de infecção.

Não é aconselhado a ingestão dado o risco de interações medicamentosas e de alterações no metabolismo de algumas drogas.

Depende do tipo de vacina a ser tomada. A vacina contra a gripe é indicada por conter os vírus vivos atenuados. Outros tipos de vacina devem ser analisados e discutidos individualmente com seu medico.

Não é indicado devido à mucosa oral ser uma área rica em bactérias, com grande risco para infecções.

Sim, porém para as mulheres em idade fértil, é fundamental o emprego de algum método contraceptivo, pois não é aconselhável engravidar durante um tratamento com quimioterapia, devido aos riscos para o feto em formação.
Sim, em alguns tratamentos podem ocorrer a infertilidade. Hoje em dia, existem algumas formas de manejar a situação.
Alguns quimioterápicos podem aumentar a sensibilidade das células da pele e, se exposta ao sol, podem ocorrer queimaduras ou manchas. É importante conversar com o seu médico ou enfermeira para tirar suas dúvidas relacionadas ao seu tratamento.

Informações emitidas pela Enfermeira Camila Barral
Pós graduada em Oncologia
Em caso de dúvidas: tel. (13)2102-3434 – ramal 4004

Quer falar conosco? Mande uma mensagem!
Fale com nossos setores
Fale com os setores através do WhatsApp