Radioterapia

Radioterapia é um tratamento com radiação ionizante, ou seja, aquela capaz de destruir o DNA das células. Como exemplo comparativo, mamografias, tomografias e radiografias também utilizam raios-x. Entretanto, nestes casos, a radiação não tem capacidade letal.

Não é possível visualizar a radiação, por isso as medições são feitas através de equipamentos específicos, que tem uma capacidade de leitura extremamente sensível. A radioterapia, em 95% das vezes, é usada no tratamento dos tumores malignos, de forma isolada ou em combinação com quimioterapia e/ou cirurgia.

Na grande parte dos tratamentos, os pacientes receberão Radioterapia Externa ou Teleterapia, que é aquela onde a fonte de radiação está afastada do paciente, em torno de um metro. É o caso dos Aceleradores Lineares.

A betaterapia é uma modalidade radioterápica que utiliza-se de radiação beta, proveniente de placas de estrôncio para tratamentos de lesões à poucos milímetros de profundidade, podendo-se tratar cicatrizes hipertrófica, e quelóide.

Instalações

O Serviço de Radioterapia da Sociedade Portuguesa de Beneficência dispõe de entrada exclusiva para os pacientes que procuram o Serviço de Radioterapia.

Em um ambiente com 03 consultórios e 01 sala para exames pélvicos, conta também uma sala de enfermagem, sala de observação de pacientes, departamento de física médica, além das salas próprias para os equipamentos.

Equipes

Dra. Herbeni Cardoso Gomes
Radioterapeuta responsável técnica pelo serviço

Dra. Paula Henriette Cagnacci
Radioterapeuta responsável técnica substituta pelo serviço

Dr. Diogo Dias do Prado
Médico Radioterapeuta

Físicos:

Rosana Cardoso Custódio Gouveia
Física Médica – Supervisora de Radioproteção

Camila Trindade de Oliveira
Física Médica – Supervisora de Radioproteção substituta

Procedimentos

• Radioterapia Conformacional ou 3D :
Técnica baseada em Tomografia Computadorizada (TC) – simulação virtual. Cada caso será avaliado de forma individual. Por vezes, será necessária a imobilização da área a ser tratada. Isso se dá através de colchões (vac-lock), apoios de perna e pés ou máscaras termoplásticas para cabeça e pescoço.

– Planejamento por Imagem: o médico define, nas imagens da TC, os tecidos doentes e os tecidos sadios. O volume-alvo é o que deve ser tratado e os tecidos sadios, protegidos. A seguir, iniciam-se os estudos de distribuição da radiação no volume-alvo, através de cálculos físicos em softwares específicos.

Após a aprovação por parte do médico, é que o paciente poderá iniciar o tratamento. Já na máquina de tratamento, cada paciente irá receber a irradiação somente nas áreas programadas para o seu caso, com proteção máxima das estruturas de risco (tecidos sadios).

• Betaterapia:
Aplicada diretamente sobre a área a ser tratada, sob orientação médica.

Equipamentos

Confira os equipamentos que a Sociedade Portuguesa de Beneficência utiliza:

• Acelerador Linear:

Equipamento que produz raios-x de alta energia e que possibilita tratamento oncológico de precisão. Outra grande vantagem é que não há risco de acidentes radioativos. É utilizado para tratar a grande maioria dos pacientes. Descrição do equipamento:

– Acelerador Linear Varian, modelo 600C
– Colimador secundário de 120 lâminas
– Sistema de planejamento Eclipse 3D
– Sistema de integração entre Acelerador e Eclipse

• Placas Radioativas para Betaterapia:

É tratamento para tumores superficiais, sendo a radiação liberada para o paciente através do contato direto da placa de estrôncio 90 com a pele. Utilizado para tratar alguns tumores malignos da pele, bem como para prevenir a formação de quelóide e/ou cicatriz hipertrófica em pacientes propensos.

Convênios Atendidos

O Serviço de Radioterapia realiza atendimento a diversos convênios. Para saber maiores informações quanto à cobertura, ligue (13) 2102-3471.

Horário de Atendimento

Horário de Funcionamento do Serviço de Radioterapia: 08:00 às 17:00 horas
Horário de Funcionamento da Recepção: 08:00 às 17:00 horas
Telefax: (13) 2102-3471
E-mail: radioterapia@spb.org.br

Dúvidas Frequentes

1 – Quais os benefícios da radioterapia?

Em torno de 60% dos pacientes com câncer, no curso da sua doença, serão tratados com radioterapia. E o mais importante: na maioria dos casos, o tratamento tem intenção curativa. Quando não é possível obter a cura, a radioterapia pode contribuir em muito para a melhoria da qualidade de vida, aliviando dores, obstruções ou sangramentos.

2 – Como é feita a radioterapia?

A radioterapia é diária (dias úteis), com duração de 15 a 20 minutos por sessão. O número de sessões (ou aplicações) necessárias vai variar de acordo com cada paciente, com cada doença. Essa variação pode ser grande, desde duas até oito semanas. O médico radioterapeuta vai definir a melhor conduta para o seu caso. Após vencidas as etapas de simulação e planejamento (vide Radioterapia Conformacional ou 3D), chega o momento do paciente iniciar o tratamento. O paciente ficará deitado em uma mesa rígida, na mesma posição na qual a Tomografia foi realizada, sob o aparelho de tratamento.

A partir daí, em cada posição de parada do equipamento, o feixe de radiação será ligado e estará direcionado para o volume-alvo tumoral. Para cada caso, especificamente, será definido o número de paradas (campos de irradiação). Quem realiza cada sessão é um tecnólogo, com formação específica para a área das radiações.

Quem supervisiona os tecnólogos é um físico médico. Este profissional é também responsável pelo controle da qualidade dos equipamentos, tanto hardware quanto software. Por fim, quem supervisiona toda essa equipe é o médico radioterapeuta. Apesar deste não participar diretamente das aplicações, ele é o coordenador do time e está ciente de cada ato.

Além disso, periodicamente, cada paciente é avaliado clinicamente pelo médico, sendo medicado e orientado conforme sua necessidade.

3 – Quais os possíveis efeitos da radioterapia e o que fazer quando surgirem?

A intensidade dos efeitos da radioterapia depende da dose do tratamento, da parte do corpo a ser tratada, da extensão da área irradiada, do tipo de radiação e do aparelho utilizado. A maioria dos efeitos são específicos, conforme cada sítio anatômico. Para cada caso, tanto o médico quanto a enfermeira, explicarão detalhadamente o que esperar em cada semana de tratamento.

Um efeito freqüente, independente da área a ser tratada, é um cansaço leve, temporário. Geralmente, este cansaço é combatido com atividade física regular, independente da intensidade desta atividade.

Novamente, seu médico será o responsável por orientar o melhor caminho.

Quer falar conosco? Mande uma mensagem!
Fale com nossos setores
Fale com os setores através do WhatsApp