Testes e orientação sobre Hepatites Virais

ㅤNa Campanha de Prevenção das Hepatites Virais no Hospital Beneficência Portuguesa, durante a realização de testes rápidos para Hepatite tipo C, cujo público alvo foram os funcionários da instituição, o reforço na orientação sobre a importância da prevenção.

ㅤA ação em parceria com o Grupo Esperança acentua que a campanha de prevenção das hepatites virais não pode ser restrita a períodos, precisa ser uma constante pois se trata de uma doença que pode causar consequências graves como cirrose. Por essa razão, na Beneficência Portuguesa, o alerta é uma constante porque as hepatites virais, consideradas um grave problema de saúde pública no mundo é um grande desafio.

ㅤComo sempre acontece nesse tipo de campanha, o presidente da Beneficência, Ademir Pestana em companhia de Jeová Pessin, presidente do Grupo Esperança (entidade de apoio a portadores de hepatites da Baixada Santista, pioneiro nesse tipo de ação) convidam os funcionários a participarem.

ㅤAdemir Pestana, enquanto vereador santista, é o autor da primeira lei do Brasil sobre as hepatites viriais (lei municipal nº 1990/2001, que instituiu de forma oficial em Santos, a campanha para falar sobre os sintomas e tratamento da doença, abrindo o caminho para aprovação de leis equivalentes em todo o país)  e Jeová que integra o Conselho Federal de Saúde é o grande responsável pelas mudanças com relação aos serviços públicos de saúde para  enfrentamento das hepatites virais. Ambos destacam a importância do diagnóstico precoce para início de tratamento, acessível para toda a população pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

ㅤNo Brasil, as hepatites mais comuns são causadas pelos vírus A, B e C. As vacinas existentes são para Hepatites A e B. Não existe vacina para Hepatite C, mas existe cura, o que confirma a importância do diagnóstico precoce. No universo testado para Hepatite C, na Beneficência, apenas um caso positivo, imediatamente encaminhado à rede pública para tratamento. A ação foi restrita aos funcionários e às pessoas que se encontravam no hospital para acompanhamento ou em visita de pacientes e/ou para resolução de situações na instituição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer falar conosco? Mande uma mensagem!
Fale com nossos setores
Fale com os setores através do WhatsApp